domingo, 27 de setembro de 2009

Olá pessoal
Leiam, a materia publicada pela revista exame, um orgulho

para Santa Catarina expecificamente para nossa vizinha Rio do Sul.

Para pensar: Nem tudo acaba em PIZZA!!!

Por Pedro Mello | 11/08/2009 - 16:48
Semana passada fui dar uma palestra em Rio do Sul, uma pequena cidade de Santa Catarina, com pouco mais de 60 mil habitantes. Confesso que fui sem qualquer expectativa e voltei cheio de surpresas bacanas e inspiradoras.

Tudo começou pela maneira que fui recebido, muito gentil e acolhedora por todos com quem tive contato nos dias que passei por lá. Mas aos poucos fui descobrindo que essa pequena cidade catarinense tinha muito mais do que pessoas simpáticas e atenciosas.

Descobri, por exemplo, que o prefeito da cidade, Milton Hobus (o cara da foto ao lado), um empreendedor de mão cheia, doa integralmente seu salário mensal para instituições de caridade da região. Mas não para por ai... todas as despesas com suas viagens políticas, incluindo despesas com hotéis e alimentação, são pagas pela sua empresa.
Pasmem, num país onde vemos políticos milionários discutindo de maneira ridícula no Senado, como crianças que brigam no jardim de infância por um carrinho de brinquedo, há alguns poucos exemplos de preocupação e responsabilidade com o bem coletivo... e eu encontrei um!!!

Bem, essa prática do prefeito acabou contagiando os demais companheiros políticos, incluindo os vereadores da cidade. Com isso, a verba gasta durante o ano inteiro de 2008 com viagens, diárias e afins foi de R$ 8.000, pouco mais de 650 reais mensais para todos os funcionários públicos da cidade (se me recordo bem, são uns 1.500 funcionários no total).

Pois é... sai de lá com a fé recuperada que o projeto `Ser Humano´ ainda não está completamente perdido... há salvação!

Parabéns Rio do Sul, vocês são um exemplo de consciência!

Blog Pedro Mello – revista exame

quarta-feira, 8 de julho de 2009

O famoso Chaleira


Os contos que vão seguir falam de historias dessa figura que é chamado por "Chaleira"....

Espero que gostem das historias e até breve.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

“Você só pode compreender o mundo se o olhar de vários lados ao mesmo tempo” Milan Kundera.

A tomada de consciência dos limites materiais do meio ambiente mundial e das trágicas conseqüências de uma exploração irracional dos recursos [...] conduzirão a uma revisão fundamental ao mesmo tempo do comportamento dos homens e, em seguida, da estrutura da sociedade atual em seu conjunto.

Os homens dispõem, pela primeira vez em sua evolução, do terrível poder (dado pela biogenética) de modificar sua própria herança. Para tratar, em primeiro lugar, das doenças graves. Para melhorar, em seguida, as espécies vegetais e animais. Até onde irão eles?.

As utopias parecem bem mais realizáveis do que se acreditava outrora. E talvez um século novo esteja começando, século em que os intelectuais e a classe culta sonharão com os meios de evitar as utopias e retornar a uma sociedade não utópica, menos “perfeita” e mais livre.

A busca da liberdade da ação, a luta pelo poder adquirido progressivamente pelo braço e pela inteligência remonta aos primeiros gestos mentais e corporais do homem. Poder e liberdade são frutos do paraíso que comemos cada vez mais para infringir antigos interditos e avançar em nossa caminhada. Não existe fim nesse jogo de infância. É ele talvez a coisa mais velha do mundo, e aquela que terá o futuro mais longo. Os limites ultrapassados pela inteligência e pela técnica preparam no movimento de seu desmoronar uma via pela qual se precipita a humanidade, acometida de um desejo cada vez maior.
Sempre existe um além a conquistar, pois o infinito é a secreta dimensão do universo.

“Você só pode compreender o mundo se o olhar de vários lados ao mesmo tempo” Milan Kundera.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Ser como "os outros"...

O homem fera


Antonio Izidro era homem simples, operário de bons antecedentes, como há milhões de outros por este Brasil a fora. Trabalhava para a Light, em cujas turmas granjeara a reputação de um sujeito calado e quieto, pontual e cumpridor de seus deveres.Um dia cismou com os seus botões que estava farto da companhia e do convívio de seus semelhantes. Lá teria as suas razões íntimas para essa misantropia. Fossem quais fossem, estava no seu direito. Não devia nada a ninguém. E é preciso reconhecer que muita gente boa compartilha de seu modo de pensar e de seus sentimentos em relação a humanidade. Apenas, porque era um simples e tinha coragem, decidiu-se a viver de acordo com as suas idéias, o que os outros não fazem por serem criaturas complicadas.
Antônio Izidro embrenhou-se nas matas do Itatiaia para viver só, longe do mundo, da sua civilização e, sobretudo, longe dos outros. Há mil e muitos anos, houve indivíduos que assim pensaram e assim fizeram. E os anacoretas dos primeiros séculos conquistaram lugar no paraíso e no rol dos santos da Igreja. Antônio Izidro não queria ser santo nem aspirava a um lugar no paraíso. Apenas pretendia conquistar a paz. Talvez, por um mistério de intuição, lhe houvesse raiado no cérebro a noção que muito filósofo tem defendido, de que os primitivos são mais felizes do que os civilizados. E quando se vê a que conduz a civilização delirante nos seus paroxismos atuais, quem ousará afirmar que não tinha razão?
Assim, como um primitivo, viveu durante três anos, afundado nas br3enhas que conduzem às Agulhas Negras. Vivia feliz, da caça e da pesca, de frutas silvestres, do alimento que as suas mãos colhiam. Morava numa toca formada por dois penhascos. Quando, rotas, se acabaram as roupas que levara para o mato, vestiu-se de peles de cabra. Como São João Batista. E quando, de longe em longe, experimentava a curiosidade de v3er como ia o mundo dos homens, descia ao povoado mais próximo, Campo Belo. Aí vaiavam-no, corriam-no a pedrada, persiguiam-no. E êle voltava para as suas furnas, tendo verificado que os homens continuavam a ser os homens.
Ninguém nunca saberá o que meditou, o que refletiu, o que descobriu dentro de si mesmo, na solidão, essa criatura que sonhou regressar à existência primitiva. Talvez estivesse a ponto de reconquistar a inocência das primeiras idades da espécie. Quem sabe?
Mas, ao desviar-se do caminho dos outros, o egresso do convívio humano não contara com os outros. Podiam estes lá admitir que um homem quisesse viver em paz? Podiam consentir que um sujeito tivesse a originalidade de querer ser livre? – Isso havia de ser indivíduo perigoso.
E em Rezende, na velha cidade fluminense de antigas tradições, onde esta localizada a maior Escola Militar da América do Sul, onde existe um movimentado campo de aviação, onde passam dezenas de trens diários entre São Paulo e Rio, onde há telefones e um clube de futebol, onde chegam diariamente jornais das duas capitais do Brasil, onde a civilização floresce, foi organizada uma batida para ir prender o “selvagem”. Com numerosa matilha, quinze homens armados e aventurosos penetraram nas matas do Itatiaia onde existe um Parque Nacional para o regalo dos turistas. E começou a mais excitante das caçadas, a caça ao homem. O “bicho” foi perseguido de tronco em tronco, de furna em furna, por barrocas e espigões, entre o latido dos cães e o grito dos caçadores.
Acuado como uma fera, Antônio Izidro defendeu-se como um homem. À entrada da sua toca, empunhando a única arma que possuía, uma velha foice de trabalho, enfrentou a matilha e os civilizados. Vibrou e aparou golpes; feriu e foi ferido. Mas que pode um homem só contra quinze, que se fazem acompanhar de cães destemidos, treinados na caça as suçuaranas e maracajás da serra?
Antonio Izidro tombou. Foi amarrado a cordas, pendurado a um pau, como uma onça vencida, e triunfalmente trazido para a cidade, entre brados de vitória. E, assim, entrouxado, foi atirado na cadeia pública pelo crime de ser diferente dos outros. E lá foi exposto à curiosidade e ao escárnio da multidão.
Isto não é invenção ou fantasia. Saiu nos jornais. Aconteceu. Ali, em Rezende, a quatro horas do Rio.
texto de Vivaldo Coroacy

sábado, 13 de setembro de 2008

Livro Lido em Maceió


A capital de Alagoas tem agora um novo espaço.
Perfeito para os amantes da leitura, além de poder também saborear ótimas opções entre excelentes cafés e deliciosos waffles.
A Livraria Livro Lido é um ambiente perfeito para se reunir com amigos e desfrutar, além de uma boa conversa, de ótimos cafés.